sábado, 27 de dezembro de 2014

Protetora, mãe...



Choro, pois me sinto em você,
E você em mim,
Faz-me crer.
Meu coração ouve o sim...
Sem mesmo ver,
Convencida.
Teorias despidas,
Por você,
Protegida!

Gi Amor


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Tio Gatão



Ô coisa doce!
Caçula dos tios,
Aquele que faz graça,
De graça.
Alegre como criança,
Até um pouco inocente.
Conforme a música, dança...
Bailando contente!
Esbanja um puro carinho...
Amo você, tio gatão!
Esse é meu tio Carlinhos

Gi Amor 
(Giza)

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Graças a vós!


Mas que mocinha chata!
Não se curva,
Não desiste...
Irritantemente, resiste.
... Como pôde ficar calada?
Subserviente feroz,
Bastou descobrir sua voz.
E então calou quem falava...
Demais.
Mudou de muda a messalina,
Aos que julgam,
Catilina.

Gi Amor

domingo, 21 de dezembro de 2014

O infinito em suas mãos


Demorou,
Mas meus versos chegaram ao receptor!
Poesia composta pelo que você me mostrou,
E que o tempo agregou valor.
Obrigada pelo carinho,
Pelo sorriso tão significativo...
Imagem inesquecível,
Tão épica quanto o infinito,
Imensurável, infindo...
Lindo!


Gi Amor

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Calendário

Todo dia tem um fim...
Mas depois de hoje,
Só infinito.
Faça;
Não diga “e se fosse”?
O tempo é indeciso,
Infinito improviso da vida.
Calendários passam, anos após anos...
Simples folhas de memórias,
Ou planos de uma nova história!

GiAmor

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Amo mesmo!

Sim, te amo.
E é para sempre,
Nada me importa,
Esse amor é presente,
Ilimitado...
Puro, direto, sincero.
Eu te espero,
Leve o tempo que for,
Só não leve esse amor.
Meu,
Que é só seu.


Gi Amor

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Feliz aniversário, Poliana!!!


Palavras não são necessárias para descrever essa menina.
Sua alegria contamina, 
por onde passa ilumina.
Irreverente, transforma ciladas em piadas...
Parceira, amiga, irmã... Comparsa!!!
Te amo e desejo uma vida repleta de
Alegrias,
Amores,
Cachaça,
E poesia!
Feliz Aniversário minha Florzinha!!!!!
Beijos, muitos beijos...


Gi!

sábado, 6 de dezembro de 2014

Só pra perturbar


Vento que sopra lá,
Sopra também pra cá!
Agora eu quero ver,
A bola da vez é você.
A famosa lei do retorno!
Que fará agora outro corno.
Cuidado com o castigo,
Pau que bate em Francisco,
Bate também em Chico.
E o circo já foi armado,
Mas o perigo agora é dobrado!

Gi Amor

Poker da Vida


Parece que não há espaço,
Dou pulos e não passos,
Encurto o percurso,
Sintetizo o discurso...
Atropelo etapas,
Aposto tudo sem ter nada.
Já ganhei no blefe,
Já saí zerada.
Mas pago o cacife da vida,
Sem medo das incertezas,
Se as cartas não me agradam,
Continuo em outra mesa.

Gi Amor

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Arte de ser Boleira


Farinha, açúcar, fermento.
Dias e noites trabalhando pesado.
Amassa a massa,
Alisa a pasta...
Trabalho digno de um escultor.
Boleiras são verdadeiras artistas,
Exageram na dose de puro amor.

Gi Amor

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Laços

.E eu acordo em seus braços,
Tudo se foi,
Desatamos os nós e trançamos laços,
Mais uma vez vencemos.
Pois queremos.
Finada guerra, vamos comemorar,
Aos beijos e amassos,
Reafirmar...
Abençoado amor que nos une,
Ao pior, imunes.

Gi Amor

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Doces pés inchados

Sou sorrisos largos,
Vezes, doces como mel,
Vezes, puro escárnio.
Adocicado céu ou amargo fel,
Sou de um veneno raro.
De tanto que sou...
... Meu antídoto é caro.
Que tenha porte,
Se vier suporte.
Erva “danadinha”,
Silêncio forte!

Gi Amor

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Nossa Magia



Não somos iguais,

Temos loucuras distintas,

Em padrões normais,

... Sonhamos demais!

Encontramos-nos em alguns pontos,

E juntas vamos pelo mesmo conto,

Felizes em nossa magia.

Ela fada, eu poeta,

Gizelle e Maria


Gi Amor

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Adeus


Sem lamúrias.

Cabe somente a mim o ritual de partida.

Só eu choro,

Velando o corpo que fica,

E a alma conduzida pela morte...

Seguindo sem norte.

Já não me anima essa vida de merda,

Tanto faz o céu,

Ou os vermes da terra.


Gi Amor

Olímpo, a casa dos Juízes





Que porra é essa?

Que merda de país é esse onde ainda a lei é determinada pelo rei?

Justiça? Nem a Divina!

Todo errado, infringente e escudado pelos seus.

Piada vai ser no dia do Juízo final,

Na sua engomada beca vai querer o trono de Deus.

Sem sucesso, vai desacatar o diabo,

Sem imunidade, vai levar com o tridente no rabo.


Gi Amor

sábado, 8 de novembro de 2014

Sem fim... Amor!


Sem os seus amores...
Vazio.
Coroas fúnebres,
Três dias, podres.
Que nunca seja azedo,
Os meus medos...
Rogo aos incrédulos,
Todos os dias.
Até descrente...
Eternamente,
Belo.


Gi Amor

sábado, 11 de outubro de 2014

O Diamante e a Pedra


Esta é uma história
De um belo e valioso Diamante
Queria uma ama à altura
Por ser muito fútil e arrogante.

Ele se interessou por uma Pérola
Mas ela não o deixou investir
Falou que já era casada
Com um enorme e robusto Rubi

O Diamante continuou sua busca
Uma prometida preciosa
Mas pelo caminho encantou-se
Por uma humilde Pedrinha charmosa

Ela mexeu com seu coração
Deixando-o apaixonado.
Mas por ser uma Pedrinha singela,
Ele receou-se em tê-la ao lado

O Diamante não abriu mão do segredo
Mesmo estando feliz e contente,
Pensou na sua desonra
E sumiu de repente.

A Pedrinha doce e risonha
Tornou-se triste e inibida,
Não suportou ser desdenhada
E acabou com sua vida

Pulou de um enorme penhasco
Espatifou-se no chão
E em coro todos disseram:
Morreu de desilusão.

Para surpresa geral
Em meio à cena de horror
Viu-se um fóssil valioso,
Guardado em seu interior

A Pedrinha julgada modesta
Era preciosa e relevante,
Guardava respostas da história,
Valia mais que o Diamante.

Sozinho e consumido pela vergonha,
Para ninguém o Diamante aparecia,
E voz do remorso ecoava,
Dia e noite o seguia.

A voz dizia:
Você rejeitou a felicidade,
Deu preço ao seu amor,
Julgou somente a aparência
Sem conhecer o interior.

Moral: O Diamante se fudeu!

Gi Amor



.



O Botão da Rosa



Era uma vez uma semente,
Plantada para virar flor,
Regada freqüentemente,
Na terra era muito contente.

Queria a ser linda e cheirosa,
Colorida e formosa,
Descobriu que seria uma rosa.

O caule já subia,
Folhinhas apareciam!
Mas a natureza é falha,
Algo saiu errado,
No lugar de um lindo botão,
Nasceu um cu enterrado!
Gi Amor

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Sua Conjugação


Tempo...
Esse que nos faz vivos,
Fortes!
Sua falta é a morte.
Passa e nos repassa...
Nossas façanhas,
Os erros que já não cometemos,
Aprendiz do tempo.
Pretérito perfeito, imperfeito,
Cheio de defeitos!
Feche um pouco à gramática,
Esqueça a prática...
A verdade que é dita...
Conjugue sem regras as doçuras vividas.

Gi Amor

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Pensamento, Desejo e Crença

O pensamento é capaz de criar
Ilimitadamente.

Os desejos atraem os sonhos mais complexos,
Ilusões a olhos céticos.

E nada desestabiliza,
A crença que realiza.

Gi Amor





quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Acordei do Sonho

Eu já dormi para sonhar,
Romper o cadeado da mente,
Esquecer a razão,
Roteirista do que sente.
Um infinito insano!
Eu danço, canto, declamo,
Amo despida de falsos valores,
Sou eu de verdade.
Orgulhei-me por não ser covarde,
Mesmo sendo em uma falsa realidade...
Coragem ativada pelo inconsciente!
Nesse universo incoerente,
Fui para uma floresta encantada,
Vi fadas, Gnomos, bruxas e ninguém se escondeu.
Ao contrário, quem se esconde sou eu.
Agora acordei para a vida!
Dos sonhos trouxe magia,
Ilusões e utopias.
Sonhadora eterna,
Pensadora inquieta,
Artesã de palavras,
Sou a Gizelle, Poeta.
-Gi Amor-

sábado, 20 de setembro de 2014

Paulinho Caladinho!



- Gi Amor-



Tia Lindona


Sempre nos meus pensamentos mais doces,
Nas horas mais engraçadas,
Segurando as respostas mais insolentes...
É impossível não tê-la em minha mente!
Sempre longe de um amor tão perto!
Obrigada, por uma vida inteira.
Queria ter mais palavras,
Ter dito há mais tempo...
Perdoe o descuido,
Dou graças ao poder dizê-la...
Te amo muito!


-Gi Amor-

Sem medo da guerra


Cadê as palavras?
Não encontro como escrever o que quero dizer,
Estou fazendo,
Mas esquecendo o meu ser!
É uma suruba com o tudo e o nada,
Indefinida.
Uma alma sufocada.
As respostas se mascaram,
Certezas ideais temem o engano...
Sorrisos por baixo dos panos.
E a vida segue, já seguiu e sempre seguirá.
Para ser feliz, reviro o roteiro,
Decifro a charada para ninguém me devorar.
Desafiando os entraves,
Não me esgota sonhar!

- Gi Amor-

domingo, 7 de setembro de 2014

Ao desconhecido...


Nas fantasias mais sujas,
Quero ser só sua... 
Seus gemido soa como um canto.
Me mostre seus encantos...
Venha... De onde for, por favor.
Me dê prazer, 
Me beije e me deseje.
Vamos além dos versos,
Além da poesia.
Vamos suar toda fantasia.
Fazer da cama, o nosso encanto,
Sem data marcada,
Aqui, ou em qualquer canto!


GI AMOR

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Fadinha Negra



Em um mundo encantado,
Cheio de seres mágicos,
Um deles vivia uma crise.
Em todas as histórias fantásticas,
Nunca mencionaram sua existência.
Até mesmo na imaginação,
O preconceito é velado,
O conceito é formado.
Mas com a certeza de sua importância,
Nossa amiga lutou contra as regras...
Apareceu de surpresa em um Conto!
Todos se espantaram com a sua audácia!
E ouviram seu relato.
Na ilusão a mente desata,
E hoje, entre as encantadas,
Também está uma negra fada!


Gi Amor

Tapumes




Não me falta o “não”!
Já pedi perdão.
Agora é minha vez, minha voz,
Por nós...
Os mudos e surdos,
Os transparentes! Numa paisagem perfeita...
Perfeitamente escondida!
Sociedade falida.

Gi Amor

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Soneto do Jimi Hendrix



Meu filhotinho
Coisa que eu mais amo
Chegou todo peludinho
Foi o melhor presente daquele ano

Eu te chamo de macaco,
Seu preto safado
Vive caindo para os lados
Como dizia Lívia: retardado

Rottweiller com rabo,
Descaracterizado
O jornal é seu “lavabo”

Ainda não é castrado
Pode não ser uma fênix
Mas será sempre meu Jimi Hendrix


FABINHO AMORIM

Soneto do Mala




Ele nasceu pequenino,
Sempre apressado,
Artista desde cedo,
Estreou como guerreiro.

Venceu a batalha,
Partiu para o mundo,
Crescendo e se formando,
Em um lindo ser humano.

Seu brilho é natural,
Força e sensibilidade,
Sucesso sem vaidade.

O presentinho...
Mesmo adolescente...
É o amor da vida da gente!

Gi Amor






sexta-feira, 25 de julho de 2014

Democracia?



Falar do governo é conspiração,
Manifestante é bandido.
Pensar leva à prisão.
Fatos distorcidos, manipulação.
Direitos negados,
Políticos descarados,
Povo roubado.
Liberdade para ficar calado,
Pastando, programados como idiotas.
Oprimido querendo ser opressor...
Ausência de razão,
Basta capim ou ração!


Gi amor

sábado, 19 de julho de 2014

Amor... Amar...

Ama-se por amar, simples assim.
Amamos de graça, sem pesos ou medidas.
Amamos e erramos, mesmo ao amar.
Perdoamos e somos perdoados,
Igualmente errados.
Ainda assim o amor não morre.
Amadurece, cresce, aprende.
Surpreende, magoa, se arrepende.
Amor, é querer o bem. 
Um sentimento para poucos corações.
Para várias reações...
Amor, quando é amor, nunca será apagado.




Gi Amor

Dirão por nós?


Será que vou perder ao mudar?
Pode ser que melhore...
Delícias aflorem.
Cada um de nós em seu lugar,
Aprendendo e ensinando.
Um par. Um casal. Família...
Nós e uma filha!
Ou menininho, nosso ninho!
De nós,
Alguém segue o caminho.

  
Gi Amor

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Amor sem Dor


Quanto amor guardei.
Lacrei meu peito,
Meu sorriso,
E o pranto...
Eu escolhi ser inteira ao doar-me...
Explodi emoções de uma vida escondida,
Sem orgulhos vazios, sem pudor.
Valeu, vale... Sempre valerá...
Hoje, sem motivos,
Respondi as perguntas intrigantes.
Com as minhas frases e convicções mais irritantes.
Desconcertantes... Certas, irrebatíveis, abertas...
Sim ou fim.
Dona de mim.

Gi Amor